quinta-feira, setembro 04, 2008

“Coimbra, 4 de Setembro de 1956”

« Há em mim uma raiz anarquista que me não deixa tolerar o poder. Sou contra ele porque degrada tudo: quem o exerce e quem o tolera. Corre-se o país de alto a baixo, e que tristeza de paisagem humana! A rasoira da mediocridade nivelou a seara numa pequenez outoniça. Não se ouve uma voz singular no murmúrio colectivo, nenhum grito se sobrepõe ao coaxar monótono do charco. (…) »

Miguel Torga, Diário, vol VII.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home