quinta-feira, julho 24, 2008

"Coimbra, 24 de Julho de 1942"

«Ninguém tem qualquer interesse em saber isto; mas se eu tivesse de me confessar socialmente, a síntese do meu desespero era esta: que cheguei, em matéria de descrença no homem, à saturação.
E, contudo, este perdido, este condenado, merece-me uma ternura tal que não há tolice que faça, asneira que invente, mentira que diga que me deixem indiferente. Tenho por força de olhar, reparar, ouvir, e comentar com toda a paixão de que sou capaz. »

Miguel Torga, Diário, vol. II.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home