quarta-feira, maio 31, 2006

A morte de um poeta: P. B. Shelley


Este quadro, intitulado O funeral de Shelley (ou A cremação de Shelley), contribuiu para mitificar e popularizar a figura do poeta romântico inglês. Na pintura, de que há mais que uma versão (creio aque esta é a original), encontramos quatro figuras do romantismo inglês a assistir à cremação do corpo de Shelley: Trelawny, Leigh Hunt, Lord Byron e, mais à direita, Mary Shelley.
A ideia de encenação atravessa a imagem. E não reside apenas da disposição e na postura das figuras. Ela emerge também no confronto (e nas contradições) que a cena retratada estabelece com a realidade: a pintura não é fiel à "verdade histórica", na medida em que, no funeral de Shelley (a 15 de Agosto de 1822, perto de Livorno, Itália), Hunt não saiu da carruagem, Byron não suportou a cena e partiu, ao passo que Mary Shelley não esteve presente. Mais, ao contrário do que se vê na imagem, o corpo de Shelley estava parcialmente comido pelos peixes. Mas o aspecto mais inspirador do quadro é a cremação do poeta retratada em contornos ritualísticos e sacrificiais. O corpo de Shelley sobre a pira, numa praia, rodeado por figuras de olhar lânguido, evoca o ritual dos funerais dos reis viquingues ou de figuras destacadas de outras culturas. E, historicamente, o corpo não foi incinerado porque se quis fazer da morte do poeta um momento glorioso mas porque as autoridades italianas, que temiam a peste, exigiam que todos os cadáveres fossem queimados.
O quadro foi pintado em 1889 por Louis Edouard Fournier e encontra-se na Walker Art Gallery, em Liverpool (óleo sobre tela, 129.5 x 213.4cm).

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

nnnn

3:34 da tarde  
Blogger Alexandre Dias Pinto said...

"nnnn" o quê? Isso lá é comentário?

3:43 da tarde  
Anonymous flor dos Alpes said...

Quite disgusting?

3:47 da tarde  
Blogger Xor Z said...

"parcilamente comido pelos peixes", malditas gralhas.

11:02 da tarde  
Blogger Alexandre Dias Pinto said...

Brigado

11:08 da tarde  
Blogger Alexandre Dias Pinto said...

"Quite disgusting?" Ó Senhora Flor dos Alpes, fancamente! E olhe que o nosso amigo Byron tinha uma casinha aí para os seus lados, a Villa Diodatti. Aí, sim, passavam-se coisas assaz estranhas.

11:44 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home