segunda-feira, setembro 08, 2008

"Tinhela, Chaves, 8 de Setembro de 1989"

« Cá ando a inventariar, numa ternura estrangulada, o Portugal remoto e arcaico que nos resta. Um Portugal sóbrio e digno, de solares arruinados e calçadas gastas pelos socos do tempo, que porfia na sua identidade profunda, a respirar a custo ao lado dum outro espalhafatoso e presumido que o nega de raiz e é apenas uma pátria de férias. (…)

A paisagem planáltica, de restolhos e carvalheiras, doirada pelo sol da tarde, abre-se majestosa em todas as direcções, soberanamente alheada do descalabro e profanação das povoações que a pontuam. E é na certeza da sua eternidade que sossego. As circunstâncias fazem e desfazem. Ela permanece. Sempre harmoniosa e sempre disponível para assimilar ou rejeitar as obras humanas que a mereçam e honrem ou não. »

Miguel Torga, Diário, vol. XV.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home