quinta-feira, dezembro 11, 2008

"Coimbra, 11 de Dezembro de 1951"

« Não me valeu de nada arrancar a liberdade das mãos de Deus. Ficou mais presa ainda nas mãos dos homens. Claro que me prometem o futuro… Mas é triste. Eu que não acreditei no paraíso do céu, onde viveria ressuscitado, tenho de acreditar no paraíso da terra, onde serei adubo. »

Miguel Torga, Diário, vol. VI.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home