quarta-feira, dezembro 31, 2008

"Coimbra, 31 de Dezembro de 1988"

« É quase meia-noite e começa a erguer-se por toda a cidade uma onda de alegria ruidosa. O ano velho está a dar os últimos suspiros. Foi bissexto, e não deixa saudades. Guerras, terrorismos, fomes, desastres, terramotos. E é o advento do novo que celebramos festivamente. Sempre assim aconteceu nesta data. Amaldiçoa-se o passado e bendiz-se o futuro. Que mais pode fazer a impotência humana? Tentamos forçar a benevolência dos fados com a força redentora da esperança. Os fados é que se devem rir da candura. E da falta de memória. O mal não está no tempo. Está na nossa condição. »

Miguel Torga, Diário, vol. XV.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home