quarta-feira, fevereiro 25, 2009

CINZAS


« Morte, tudo o que vemos acordados; tudo sonho, quando adormecidos. »
Heraclito de Éfeso, fr. 21 Diels.


« Somos morte. Isto, que consideramos vida, é o sono da vida real, a morte do que verdadeiramente somos. Os mortos nascem, não morrem. Estão trocados, para nós, os mundos. Quando julgamos que vivemos, estamos mortos; vamos viver quando estamos moribundos.

Aquela relação que há entre o sono e a vida é a mesma que há entre o que chamamos vida e o que chamamos morte. Estamos dormindo, e esta vida é um sonho, não num sentido metafórico ou poético, mas num sentido verdadeiro.

Tudo aquilo que em nossas actividades consideramos superior, tudo isso participa da morte, tudo isso é morte. Que é o ideal senão a confissão de que a vida não serve? Que é a arte senão a negação da vida? Uma estátua é um corpo morto, talhado para fixar a morte, em matéria de incorrupção. O mesmo prazer, que tanto parece uma imersão na vida, é antes uma imersão em nós mesmos, uma destruição das relações entre nós e a vida, uma sombra agitada da morte.

O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela. (…) »


Fernando Soares Pessoa, Livro do Desassossego, ed. Richard Zenith, 1998, nº 178.


[ O texto e as máscaras – as duas! – na gravura vão dedicadas neste dia aos ressacados foliões súbditos del-rei Momo, tal qual a outra lembrança aqui. ]

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home