quinta-feira, maio 08, 2008

“Coimbra, 8 de Maio de 1974”

« Sim. Apesar da sedução que no meu espírito exercem outros credos, se tivesse de me converter seria ao catolicismo. É, afinal, a única religião compatível com a minha natureza torrencial, terrosa, pecadora. Uma religião que sagra de tal modo o profano que nele se fazem agentes demiúrgicos a água, o sal, o azeite, o pão e o vinho. A água e o sal do baptismo, o azeite da unção, e o pão e o vinho da eucaristia. A imanência e a transcendência tão medularmente conjugadas, que a realidade tangível se paradigmatiza no prodigioso mistério da encarnação e no escândalo bárbaro e sublime de um Deus consubstanciado a quem antropofagicamente devora a carne e bebe o sangue.»

Miguel Torga, Diário,vol. XII.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home