segunda-feira, novembro 03, 2008

"Coimbra, 3 de Novembro de 1988"

«Verseja. Mas não sabe o que é ser poeta, nem a que reino pertence a poesia. Se o soubesse, em vez de se pavonear impante no mundo, caminhava vergado. A poesia é uma permanente e grave prestação de contas à vida. E o poeta é um leproso que em nenhum tempo precisou de usar matraca para apavorar os circunstantes e merecer aos olhos deles a preventiva solidão a que o condenam. »

Miguel Torga, Diário, vol. XV.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home